Guru da Liberdade 35


O Guru da Liberdade 35 foi uma figura enigmática e controversa que cativou a imaginação do povo brasileiro nos anos 1970 e 1980. Ele se autoproclamou portador da verdade e da liberdade e reuniu um grande número de seguidores que acreditavam em seus ensinamentos.

Origens e Vida Precoce

O Guru da Liberdade 35 nasceu em Iúna, Espírito Santo, em 1925. Seu nome original era Sebastião Rodrigues de Moura. Pouco se sabe sobre sua infância e juventude, mas acredita-se que ele tenha trabalhado como agricultor e garimpeiro antes de se tornar um líder espiritual.

O Início do Movimento

Nos anos 1960, Moura começou a pregar uma mensagem de liberdade e esperança para as comunidades rurais pobres do Espírito Santo. Ele criticava os políticos corruptos e o sistema econômico injusto, prometendo aos seus seguidores uma vida melhor e uma sociedade mais igualitária.

As Profecias e a Simbologia

O Guru da Liberdade 35 era conhecido por suas profecias apocalípticas. Ele previu que o mundo seria destruído por uma grande guerra em 1982 e que apenas seus seguidores seriam salvos. Ele também usava uma linguagem simbólica e misteriosa, referindo-se a si mesmo como “o 35” e seus seguidores como “os 450”.

A Comunidade

Moura estabeleceu uma comunidade em uma fazenda conhecida como “Sítio do Novo Paraíso”, onde seus seguidores viviam em condições primitivas e obedeciam estritamente aos seus ensinamentos. Ele proibia o consumo de álcool, fumo e carne e incentivava a prática do jejum e da meditação.

O Conflito com as Autoridades

À medida que o movimento do Guru da Liberdade 35 crescia, ele começou a atrair a atenção das autoridades. Eles o acusaram de lavagem cerebral, charlatanismo e incitação à violência. Em 1978, a polícia invadiu o Sítio do Novo Paraíso, prendendo Moura e vários de seus seguidores.

O Massacre

Em 22 de maio de 1982, no dia em que Moura havia previsto o fim do mundo, seus seguidores se reuniram no Sítio do Novo Paraíso para aguardar o apocalipse. No entanto, as forças de segurança do governo invadiram o local, resultando na morte de mais de 60 pessoas, incluindo o próprio Moura. O massacre ficou conhecido como o “Massacre de Cabo Frio” e chocou a nação brasileira.

O Legado

A morte do Guru da Liberdade 35 e o massacre de seus seguidores deixaram uma marca duradoura na história brasileira. Seu movimento gerou controvérsia e especulação, e suas profecias e ensinamentos continuam a intrigar as pessoas até hoje.

Alguns veem Moura como um charlatão perigoso que explorou a fé das pessoas vulneráveis. Outros acreditam que ele foi um profeta genuíno que foi injustamente perseguido pelas autoridades. Independentemente de sua interpretação, o Guru da Liberdade 35 permanece um símbolo do anseio de libertação e esperança que permeou a sociedade brasileira naquela época.

O Templo da Liberdade

Após o massacre, o Sítio do Novo Paraíso foi abandonado e ficou em ruínas por muitos anos. Em 2000, um grupo de ex-seguidores do Guru da Liberdade 35 reassumiu o local e começou a reconstruí-lo. Eles criaram um templo em homenagem a Moura e estabeleceram uma organização sem fins lucrativos dedicada a preservar sua memória e ensinamentos.

Conclusão

O Guru da Liberdade 35 foi uma figura controversa e fascinante que desempenhou um papel significativo na história do Brasil. Seus ensinamentos e profecias cativaram a imaginação do povo brasileiro, e sua morte trágica deixou um legado duradouro. O Templo da Liberdade serve como um lembrete do poder e do perigo da fé, bem como da luta contínua por liberdade e esperança.